Desnotícias:Bruno Covas é eleito ditador de São Paulo

Este artigo é parte do Desnotícias, a sua fonte de ignorância 24 horas por dia.

É PAULOS, Quinto dos infernos

Paulista votando no melhor candidato

Em mais um ano de Eleição neste país fodido, a cidade de São Paulo teve a honra de ter uma das eleições mais idiotas incríveis do país, muito importante (Ou não) para o futuro da Casa do Caralho, onde em 2 turnos, os paulistas fizeram o que sabem fazer de melhor: merda.

No primeiro turno, os moradores da cidade mais importante do país tiveram que escolher entre reeleger um tucano com câncer, um invasor de propriedade "moderado", o derrotado pelo Dória em 2018, um patrulheiro dos otários consumidores, um youtuber ancap que se fantasia de buceta, um petista que fez as ciclovias horríveis do governo PT, uma bolsonarista que não gosta do bonoro, entre outros figurantes, como Levy Fidelix. Diante de tantas opções incríveis só sobrou para resolver nos debates, onde basicamente nós vimos as estratégias inteligentes dos candidatos, como a Joice que fez um slogan incrível ao Covas: "Para de aumentar o IPTU, ei, prefeito, vai tomar no cu vergonha", ou então a reviravolta de Celso Chupa os Mano, que conseguiu levar porrada da direita e da esquerda, no mesmo debate, e caiu de 40% nas pesquisas para apenas 10% dos votos, e, sem muitas surpresas, Boulos e Covas passaram para o segundo turno.

Agora com debates muito mais sem graça, sem os candidatos querendo bater um no outro, com fake news, e a maioria dos candidatos irem no Flow Podcast fumar com o Monark, só sobrou para escolher o atual prefeito que iria continuar fazendo merda, ou um novo, que faria novas merdas, acabou que Bruno Covas, venceu o paulistão as eleições, e agora governará até 2024, mas até lá o Brasil já estará mais fudido do que já é melhor. e também vimos nessas eleições um possível spoiler de 2022 onde com a eleição de um candidato do PSDB, João Dória terá muito apoio contra o Bolsonaro, ou seja, teoricamente, para ajudar o presida, a extrema-direita teria que votar na extrema-esquerda, coisa incomum na Ditadura Democrática do Brasil.

FontesEditar

Compartilhe