Coréia do Son

(Redirecionado de Coréia do Sul)


영광대한민주온라인게임공화국
零狂大恨民主遠距離遊興孔化國
Ou 대한 민국 大韓民國

Magnificent Democratic Online Gaming Republic of Korea
República Taekwondoísta do Capital Coreano
Bandeira da Coreia do Sul
Brasão de Armas da Coreia do Sul
Bandeira Brasão
Lema: Nuclear launch detected!
Hino nacional: Oppan Gangnam Style

Localização de República Taekwondoísta do Capital Coreano

Capital Washington, D.C. / Califórnia
Cidade mais populosa Aiur
Língua Coreano
Religião oficial Starcraft
Governo Gamocracia Taekwondoísta
 - Presidente e Vice-Presidente PSY e Son Heung-min
Heróis Nacionais Zeratul, Kim Kaphwan, Baek Doo-san
Área  
 - Total Uma pontinha ao sul km² 
 - Água (%) 24
Analfabetismo
População 1.000.000 no Ragnarok 
PIB per Capita Muita grana 
IDH 9999 
Moeda Zenys, Minerais e gás vespeno
Fuso horário O sol nasce lá
Clima Frio. O jeito é ficar no computador
Website governamental Procurar Lan-House no seu catálogo telefônico


Coreia do Sul, chamado por seus próprios habitantes de Coreia do Bem, é um país cheio de coreanos com nomes divertidos (como por exemplo Kim Lee Won, Won Lee Kim e Kim Won Lee) e que apesar dos nomes iguais e caras iguais eles não se confundem, pois conseguem distinguir os diferentes semblantes entre os milhões de coreanos, tão diferentes entre si. A sua capital é a pitoresca cidade de Seu Cu.

HistóriaEditar

Antiga CoreiaEditar

 
Antiga pintura mostrando uma duelo de Kisaengs, mulheres que eram uma combinação especialmente impressionante de ninja, assassina, sedutora, prostituta e artista plástica.

A antiga Coreia já nasceu dividida, pois este sempre foi a vocação dos coreanos, estarem divididos. Nesses tempos antigos a Coreia de dividia em três reinos guerreiros que enquanto todos lutavam entre si ocasionalmente olhavam para o paizão China na esperança de que ficasse do lado deles nesse conflito interminável. Estes três reinos eram Goguryeo, Silla e Baekje. Silla era a nação mais fraca e por 900 anos de história perdeu todas as guerras (até vender a alma para os chineses da Dinastia Tang e conquistar a Coreia para si). Baekje ficava no sudoeste e eles apenas faziam de conta que não estavam fazendo nada de errado e colocavam a culpa de tudo em Silla. Goguryeo era o maior reino coreano de todos, mas ao invés de conquistar os outros dois de uma vez o seu general pensava mais ao estilo "Caralho, nós somos enormes. Vamos dominar aa China... Oh merda! Os chineses estão nos massacrando de novo!". Além desses três principais reinos, ainda havia o reino de Tamna, onde agora é a ilha de Jeju onde eles basicamente iam à praia e bebiam água de coco enquanto o resto dos coreanos se matavam no continente. E por último havia o minúsculo Confederação Gaya no extremo sul da península, que eram apenas otakus e esses foram exterminados.

Embora pareça uma época brutal, a antiga Coreia era na verdade um lugar bonito para se estar, principalmente porque era uma região repleta de ninjas e assassinos mas ao ponto de você poder ser um ninja e assassino também. Infelizmente todos ninjas e assassinos foram proibidos pelo confucionismo que chegou ali pelos anos 918 e essas pessoas todas tiveram que emigrar para o Japão onde criariam a Era Meiji.

Mas o que realmente tornava a antiga Coreia um lugar realmente doce e cativante foram a existência de mulheres Kisaeng (매춘부), mulheres hábeis nas artes especialistas em poemas, danças, lutas de espada, pinturas, massagens, flerte e sexo. Essas artistas foram perdidas na Coreia depois que a introdução do confucionismo praticamente matou a existência dos bordeis na Coreia, forçando as antigas Kisaengs a emigrar para o Japão onde pintaram a cara com farinha branca com maquiagem gótica e se tornaram as famosas gueixas daquele país.

Invasão MongolEditar

Os mongóis invadiram o mundo inteiro e os coreanos não ficaram de fora dessa, de 1270 a 1356 o Império Mongol governou a península. Para os mongóis que tinham 2 metro de altura por 2 de envergadura foi muito fácil arrasar aquele bando de coreaninhos afeminados com seus cabelinhos de Justin Bieber. Apesar de na porrada os coreanos não terem chance alguma contra os mongóis, os 30 anos que as crianças coreanas ficam na escola há de servir para alguma coisa, e foi com sua inteligência que os coreanos conseguiram repelir o invasor após 80 anos de dominação, utilizando uma arma de destruição em massa (de tímpanos) chamada k-pop, que deixou os mongóis tão birutas que até hoje a palavra "mongol" é sinônimo de gente retardada só por causa desse caso em que Toghon Temür retornava da Coreia completamente desorientado e biruta, embora carregasse em seus ombros uma prostituta chamada Imperatriz Gi que deveria ser muito bonita porque um monte de marmanjo sonhava roubar o cabaço dessa donzela que ficou para o mongol Temür após uma dia de bebedeiras.

Dinastia JoseonEditar

Com base no que as novelas de época coreanas retratam o que foi a Dinastia Joseon o que podemos inferir é que nessa época de 1392 a 1897 o povo coreano se especializou em ser corno enquanto as donzelas do país se especializaram em dar para caras os quais ela nunca amou porque toda história e todo conto da época Joseon traz pessoas impecavelmente bem vestidas quase como se fossem bonecos de cosplay do Kung Lao, cenários magníficos sob flores brancos, e claro, amores proibidos. De acordo com as tantas obras de ficção que retratam fielmente a época Joeson, podemos perceber que foi nessa época que os coreanos ficaram realmente tão afeminados, pois por algum motivo esquisito a mulher coreana ama homem frouxo, covarde e sem atitude, como se isso fosse sinônimo de ser sensível e romântico.

Império da Coreia e ocupação japonesaEditar

 
Coreano comendo uma bandeira do Japão para expressar sua raiva.

A Coreia do Sul antes era chamada apenas de "Coreia" e inventaram esse nome em 1897, época em que eles eram um mero império sem importância resultado de várias dinastias passadas com menos importância ainda, portanto, sem história para contar. Esse império coreano não durou muito porque em 1910 os otakus ocupam a Coreia e iniciam um reinado de terror que até hoje traumatiza os coreanos. Embora os coreanos sejam um povo generoso e indulgente, eles nunca perdoarão os japoneses por todas as atrocidades que fizeram, por isso transformaram o j-pop em k-pop, o Jrama em dorama, o mangá em Manhwa e horyudô em Hallyuwood, tudo como vingança dos japoneses. Hoje, ambas as nações lutam por um monte de pequenas ilhas de merda onde nenhum deles quer viver porque já foram tão bombardeadas pelos americanos no passado por centenas de vezes que não há mais como viver ali. A oicupação otaku durou até meados dos anos 1940 e terminou pacificamente quando os japoneses deixaram a Coreia em 1945 por conta própria para ir averiguar o que diabos havia acontecido em Hiroshima e Nagasaki.

Separação e Guerra da CoreiaEditar

Num belo dia, em maio de 1948, os coreanos do sul descobriram que o motivo de seu atraso estava nos coreanos do norte, e por isso os sul-coreanos venderam suas almas para o diabo, um palhaço bicolor (vermelho e amarelo) vendedor de hambúrgueres e de um refrigerante capitalista da cor preta de chorume. Estes coreanos vendidos fundaram a Coreia do Sul e alcançaram o milagre econômico do enriquecimento com a única condição de produzir filmes pornôs sem aqueles quadriculados ridículos dos filmes de putaria japoneses que cobrem um pênis e uma vagina mas deixam uma garota com 2 litros de porra na cara de 50 homens.

A divisão, entretanto, não foi amistosa, a Coreia foi ocupada pelos russos e americanos com duas ideias antagônicas sobre o que seria melhor para a Coreia, com os russos defendendo que a melhor ideia é que todos fossem pobres igualitariamente e os americanos defendendo que todos fossem pessoas superficiais e vazias igualitariamente. E como diz um velho ditado manchu, "um pouco por um não faz mal a ninguém" (acho que é algo assim), a Coreia do Norte foi entregue à Rússia comunista, enquanto a Coreia do Sul ficou com os Estados Unidos. E, de fato, ainda hoje, a Coreia do Norte é um lugar miserável enquanto a Coreia do Sul está cheia de suicidas. Após a divisão, no entanto, cinco anos os norte-coreanos decidiram invadir os sul-coreanos, porque naquela época a Constituição norte-coreana exigia que uma guerra eclodisse pelo menos a cada cinco anos.

As várias repúblicasEditar

Em menos de 40 anos a Coreia do Sul teve 6,5 diferentes repúblicas (Primeira República da Coreia do Sul, Segunda República da Coreia do Sul, 2,5º República da Coreia do Sul, Terceira República da Coreia do Sul, Quarta República da Coreia do Sul, Quinta República da Coreia do Sul e Sexta República da Coreia do Sul). Isso aconteceu porque os sul-coreanos eram meio novatos nesse negócio de república então cada novo presidente eleito achava que deveria criar uma nova Constituição, isso até 1988 quando Roh Tae-woo que retornava de estudos nos Estados Unidos trouxe a novidade que não precisava criar uma nova república a cada nova eleição, então ele criou a sexta e última república e a última constituição, prometendo que o sistema político agora se basearia em corrupção e atos desonrosos em geral.

Eventos recentesEditar

Após a Coreia do Sul atravessar seu milagre econômico e se tornar um dos dez países mais ricos do mundo, agora o seu povo pode finalmente se incomodar apenas com coisas superficiais e sem profundidade (tipo k-pop) e em fazer proselitismo internacional ao continuamente humilhar o atraso político dos vizinhos do norte, mas ao mesmo tempo morrer de medo das bombas deles.

PopulaçãoEditar

 
Apesar de parecer, não são nove irmãs gêmeas com cortes de cabelo e chapéus diferentes para conseguirem ser identificadas.

A população de 50 milhões de sul-coreanos chama atenção e explica porque toda girl band do país tem no mínimo umas 9 integrantes (com umas exceções tipo Blackpink quando as quatro integrantes do grupo são irmãs quadrigêmeas). Os sul-coreanos são aceitos como o segundo povo mais amigável do planeta Terra, superados apenas pelo carisma inigualável de uma pequena tribo no sul da África que doou tanto suas posses e terras durante o período de colonização europeia que agora eles só ficaram com um pequeno país chamado Lesoto e mesmo assim passam o dia dançando e fazendo festas. Quanto aos coreanos, eles são facilmente reconhecíveis por sua genética que os dá uma cara de bolacha pálida no lugar da bochecha e também pelo ego exagerado que os fazem serem conhecidos como "argentinos da Ásia".

PolíticaEditar

 
Parlamentares sul-coreanos mais uma vez resolvendo as coisas na base do Taekwondo.

O sistema político sul-coreano é o único do mundo baseado em força física do Taekwondo e corrupção ao mesmo tempo. Como em todos os outros sistemas democráticos no mundo, os projetos de leis são encaminhadas para o parlamento, mas a grande diferença está que lá dentro, ao invés de uma votação em plenário o negócio é resolvido no tatame através de uma pancadaria generalizada. Há vários partidos políticos dedicados a destruir uns aos outros e todos competem no Torneio de Artes Marciais conhecido como 국K-1 no qual competidores treinados em milhares de formas de combate, armados com processos judiciais, trâmites legislativas, habeas corpus e procurações se reúnem num anel octogonal enfeitado com arame farpado e buracos com estacas punji e duelam ali até a aprovação ou desaprovação de determinado projeto. Alguns tigres-siberianos são usados ​​em caso de impasse, ou quando é necessário uma nova votação devido a um veto do executivo.

Alguns cidadãos liberais e rebeldes da Coreia do Sul veem esses procedimentos do governo como bárbaros e primitivos e frequentemente expressam seu descontentamento com o governo atirando pedras nos policiais da tropa de choque e culpando os Estados Unidos por todos os problemas do mundo. Estima-se que esses manifestantes e os agentes da lei entrem em confronto umas 50 vezes por ano - ou todas as terças-feiras, para ser mais específico - com exibições públicas de Taekwondo. Esses protestos, no entanto, são frequentemente reprimidos com gás lacrimogêneo e tiros de tanques e metralhadoras, tudo de acordo com a lei anticomunismo que vigora no país e que o torna tão democrático e mais perfeito que seu vizinho do norte.

SubdivisõesEditar

A Coreia do Sul se subdivide em 8 províncias, uma denominação que se tornou obsoleta visto que o país é pequeno demais e todas cidades se tornaram maior que as províncias, por isso criaram a denominação "cidade metropolitana" para as cidades que ficaram caóticas demais. Para deixar tudo ainda mais confuso criaram uma denominação especial para a cidade de Sejong de "cidade autônoma especial" por ser a única cidade do mundo que tem uma ponte em formato de cu, e ainda tem seu território ultramarino que é a ilha de Jeju, uma rocha cheia de lodo, mas é o que os sul-coreanos tem para suas férias de verão, então acham aquilo lá a maior maravilha.


EconomiaEditar

 
A Coreia do Sul em 2020 se torna o 10º país mais rico do mundo, com esse dinheiro se torna o maior importador de neon da Ásia.

Há uns 30 anos atrás a Coreia do Sul era um país pobre e miserável tipo um Laos, pior que o Brasil para você ter uma ideia, era só uma roça vagabunda, mas a economia sul-coreana passou por um milagre econômico que o transformou numa das maiores econômicas asiáticas ultrapassando o Camboja e o Quirguistão. Tal avanço econômico só foi possível graças às reformas educacionais que atraíram capital japonês para um mercado repleto de mão de obra semiescrava que possibilitou a fabricação em massa de carros, televisões, navios, computadores e o mais importante de todos, os jogos de RPG online.

A Coreia do Sul recebeu o título de "Whorea" por causa dos problemas de prostituição em sua capital Seul, não sendo preciso ser nenhum gênio para entender como aquelas garotinhas sem nenhum talento musical ou vocal mesmo assim são enormes popstars. A Coreia do Sul é atualmente o maior mercado de putas do leste asiático porque as putas japonesas tem buceta quadriculada e isso é meio broxante, enquanto as putas chinesas são feias demais, enquanto as putas tailandesas tem um pênis no meio das pernas ao invés de uma vagina. A Coreia do Sul equivale na Ásia ao mercado de putas da Holanda na Europa. Porém, com a riqueza, o fluxo da prostituição mudou, e agora putas de todos os cantos do mundo querem ir para a Coreia do Sul ganhar uma nota preta pra satisfazer os executivos taradamente endinheirados.

Como a Coreia do Sul carece de recursos naturais básicos devido ao seu território, o país precisa importar madeira, petróleo , água, oxigênio, Cheetos e algum plutônio na forma de U-238, compensando a sua balança comercial com a exportação de macarrão Ramen, órfãos, estudantes de intercâmbio para faculdades americanas, novelas insuportavelmente cafonas (mela-cuecas como Winter Sonata) e uma música tão ruim que chega a competir com o funk carioca o posto de música mais artificial do mundo.

A Coreia do Sul é amplamente considerada o país mais enfadonho do mundo porque sua moeda, o won, nada tem a ver com o pretérito do verbo "ganhar" me inglês, pois é bem o inverso disso quando tem a maior taxa de câmbio do planeta. Foi chamado de "ganhei" porque os sul-coreanos acreditam que sempre vencerão no StarCraft e precisam usar essa moeda para comprar mais skins para seus personagens.

InfraestruturaEditar

SegurançaEditar

 
Exército sul-coreano treinando cambalhotas para conseguirem escapar dos Double Lariats soltados pelos norte-coreanos.

A Coreia do Sul é naturalmente protegida por 50.000.000 de canhões de fótons por quilômetro quadrado localizadosa nas montanhas do norte do país. Quando mais desmilitarizada for uma área mais militares a Coreia do Sul vai concentrar por ali pois os sul-coreanos estudam muito e não vão cair no velho golpe do "nossa, vamos desmilitarizar essa zona aqui durante nossa cessar-fogo" apenas para ser invadido por trás. Há um total de 10 milhões de torres de mísseis ao longo da costa, e muitos bunkers estão presentes aqui e ali, tornando a Coreia do Sul um país bastante seguro. A defesa nacional está atualmente a cargo do General SlayerS_BoxeR, atual campeão de Starcraft II: Legacy of the Void, League of Legends, Dota 2, Counter-Strike: Global Offensive e especialista em todo tipo de RTS. Nesta luta todos os soldados sul-coreanos devem conhecer a antiga linguagem de sinais Xel'Naga conhecida como Taekwondo, a fim de chutar traseiros japoneses em caso de uma invasão.

O exército sul-coreano é passivo-agressivo em guerras, o que significa que são treinados para não lutar, mas apenas para ofender sem parecer que estão ofendendo, sempre plantando uma informação ali e acolá para dar a entender que a Coreia do Norte é um país ridículo e forçar os outros (Japão, Estados Unidos Unidos, União Europeia, Rússia, etc) a tomar atitudes em relação ao vizinho.

EducaçãoEditar

 
Na Coreia do Sul não existem presídios, mas apenas essas escolas chamadas Hagwon onde as crianças sul-coreanas são obrigadas a ficar de 7h às 22h só estudando.

O sistema educacional coreano é hoje considerado o melhor do mundo, superando até os japoneses. O motivo de tanto sucesso é que os coreanos começam a escola aos 2 meses e terminam aos 35 anos. Os alunos das escolas públicas sul-coreanas estudam matérias básicas como matemática, ciências, coreano, inglês, estudos sociais, receitas de Kimchi e videogame. Por motivos óbvios as aulas de educação física são desnecessárias, as aulas de geografia não são ensinadas porque para eles basta saber o que é sul e o que é norte, e as aulas de história são substituídas por coisas mais importantes como discutir sobre como a Coreia do Sul é um país tão maravilhoso e superior aos vizinhos do norte. Os sul-coreanos frequentam a escola unicamente para que seus pais possam se gabar para outros pais sobre como seus filhos são mais inteligentes e as atividades extra-curriculares obrigatórias são as aulas de balé, violino, piano, dança, futebol e taekwondo, tudo no mesmo dia todas as tardes após as aulas.

Já as escolas particulares são chamadas de Hagwon que são presídios geridos pela iniciativa privada que mantém em cárcere total e irrestrito várias crianças consideradas burras demais para os padrões sul-coreanos, ou seja, que os pais para evitar vergonha, desgraça e desonra da família precisam pagar escolas particulares como uma última tentativa desesperada de conseguir transformar seus filhos em algo minimamente inteligente. Em vez de brincar ao ar livre como crianças normais, as crianças sul-coreanas mais burras que não dominam os conceitos da diferença entre mitose e meiose ou não decoraram a fórmula da área do círculo são mantidas nessas celas especiais chamadas Hagwon até que sejam libertadas dali apenas aos 18 anos depois que seus espíritos foram efetivamente destruídos e esmigalhados por terem perdido sua adolescência para sempre. O objetivo desses Hagwons é manter as crianças sentadas o maior tempo possível para ajustar suas estruturas esqueléticas à posição mais adequada de suas futuras carreiras, seja como um PC gamer ou um trabalhador de escritório cansado.

Após a conclusão da lição de casa, os meninos sul-coreanos podem dormir, mas as meninas sul-coreanas são ensinadas pelas mães a cozinhar e limpar a casa, para que possam efetivamente atrair um companheiro mais tarde na vida. Ao contrário das meninas, os meninos só precisarão conseguir um emprego estável e bem remunerado para atrair uma companheira mais tarde na vida. Por isso a família não se importa tanto se a menina não tira boas notas, desde que ela faça bons bolinhos e Kimchi para atrair um homem rico.

SaúdeEditar

Quando os coreanos não estão jogando videogame (online), jogando futebol (online), fornicando (online) ou tendo encontros casuais com pessoas comuns na rua (online), eles geralmente estão se jogando do alto de telhados a uma velocidade média de 9,8 m/s² a alturas superiores a 0,1 hectômetros, um evento que parece ser meramente uma expressão cultural mas que na verdade é uma epidemia que assola a saúde dos sul-coreanos.

Estresse, depressão, ansiedade e calos frios são umas das principais doenças que acometem esse país, mas o principal mal é uma doença misteriosa chamada comprometimento total para com minha amada empresa, sendo este o principal motivo dos sul-coreanos morrerem quando decidem mostrar seu apoio e admiração por sua corporação multinacional favorita, jogando seu corpo do ponto mais alto de um prédio que podem ser a sede da Hyundai, Samsung, LG, Lotte, POSCO, etc. Os trabalhadores que ainda não cometeram tal ato de amor total pela sua empresa apenas contam diligentemente o número exato de respingos de sangue na calçada da entrada da sede todas as manhãs, adicionando um aumento numérico decisivo ao valor das ações da respectiva empresa quando a Bolsa de Valores Sul-Coreana abrir naquele dia. Alternativamente, os sul-coreanos que não amam tanto a sua empresa se punem geralmente com uma lâmina de barbear cortando o próprio pulso ou indo dar um passeio com o peso do tornozelo até o fundo do mar na ponte mais próxima. A OMS tenta ajudar a Coreia do Sul com algumas dicas para sua população, como conselhos para beijar mais na boca e essas coisas que evitam estresse demais mas que os sul-coreanos se recusam a fazer.

CulturaEditar

 
Cena de um dorama, mas especificamente a novela Malhação Coreana que traz temas como cornidão, dor de cotovelo, viadagem e tosquice brega..

Os sul-coreanos são famosos por serem ao mesmo tempo um dos povos mais ocupados e desocupados do mundo, prova disso é que este país é o berço das Lan Houses e dos inúmeros MMORPGS famosos que rolam mundo afora como Ragnarok, MU, Gunbound, Lineage II, Maple entre outros, que fazem sucesso também entre os desocupados de países como o Brasil, EUA, Europa, etc. Mas para sustentar esses grandes desocupados que ficam 24 horas por dia jogando videogame há uma massa de pais e mães que ficam 24 horas por dia no escritório sustentando o filho, e a julgar pela quantidade de famílias sul-coreanas nessa situação é plausível afirmar que isso é um traço cultural.

A cultura sul-coreana é, num geral, um troço bem aviadado e cafona onde comumente são observadas por lá casais usando roupas combinadas, "homens" andando de batom e maquiagem pela rua, e casais andando de mãos dadas que nunca um beijo na vida e muito menos uma metida. Isso acontece porque os sul-coreanos odeiam ser confundidos com os japoneses e por isso se esforçam para parecerem os mais frouxos e afeminados possíveis.

No ramo das artes destacam-se as novelas coreanas (doramas) que são facilmente reconhecíveis por seus roteiros vergonhosos onde sempre tem um corno ou uma corna ou então um casal que visivelmente se ama ao invés de se pegarem logo ficam de cu doce enchendo o saco do telespectador por longos episódios de insegurança e timidez. E claro que ao mencionar a cultura sul-coreana não é possível deixar de mencionar o famigerado k-pop, o estilo musical que reúne tudo o que há de pior numa mesma música: Cantores e cantoras genéricos(as) e sem talento escravizados a se manterem solteiros para sempre fazendo umas dancinhas vergonhosas, cantando letras aleatórias e sem inspiração a um som extremamente genérico e pré-moldado. O k-pop se tornou um câncer tão grande na indústria fonográfica mundial ao ponto de pela primeira vez na história a Coreia do Norte ter razão sobre alguma coisa quando os norte-coreanos alegaram que k-pop é uma porra.

CulináriaEditar

 
Autêntico hot dog da culinária sul-coreana.

O povo sul-coreano é reconhecido entre os asiáticos pelo estranho paladar. Entenda isso como carne de catiolo refogada no pimentão, acompanhado de vários insetos apetitosos e outras comidas extremamente apimentadas como salada de repolho com pimenta crua. Os principais pratos da Coreia do Sul são cachorros fritos, pimenta crua com repolho, yakiniku e arroz com cigarras e café advindo de fezes do animal consumido crocantes ao molho pardo. Num geral os sul-coreanos basicamente jogam alho e pimentão vermelho em tudo e dão um nome a isso.

Agora o condimento mais tipicamente coreano é o Kimchi que sempre vai deixar qualquer comida parecendo um chucrute misturado com ketchup picante, embora alguém possa confundi-lo com uma salada de repolho que foi deixada uma tarde inteiro ao sol. Essa porcaria trata-se de um repolho fermentado com alho picante usado como condimento universal para adicionar um forte sabor de alho a quaisquer alimentos (de sorvetes a torradas) que tenham escapado do estupro coletivo de suas papilas gustativas gerado pela presença de pimenta malagueta na maioria dos alimentos do país (de sorvetes a torradas). O Kimchi é o tempero nacional da Coreia do Sul, o que explica porque a comida coreana continua sendo puramente uma comida nacional apenas da Coreia do Sul e nunca adotada em outro país, como por exemplo uma bela pizza italiana ou a comida tailandesa.

Para beber a opção coreana é o Soju, uma falsificação do saquê. O soju é uma bebida picante que causa ao bebedor a sensação de estar ingerindo álcool etílico puro. Esta bebida é geralmente encontrada em aniversários de crianças, lanchonetes de escolas e nas mãos de quase todos rapazes coreanos.

EsportesEditar

 
Sul-coreanos praticando esporte.

O esporte nacional da Coreia do Sul é, sem dúvida, o MMORPG, mais especificamente World of Warcraft, Taekwondo, Hapkido, Ragnarok, League of Legends e StarCraft (óbvio). Muitos presumem que os sul-coreanos são jogadores tão ávidos puramente por causa de sua predileção por desafios, criaturas bizarras e por dar dinheiro para a Blizzard, mas a verdade é muito mais sinistra. Tendo vivido com medo da Coreia do Norte desde a guerra da Coreia, os líderes militares sul-coreanos decidiram que deveriam reforçar a sabedoria de seus militares. Em 1999, eles iniciaram a Operação Pwnage usando lanhouses patrocinados pelo governo e publicidade subliminar para induzir pessoas a se viciarem em videogame. O programa foi um sucesso retumbante, e a Coreia do Sul agora tem uma nação de estrategistas brilhantes prontos para defender o país contra qualquer ataque.

Fora das lanhouses o destaque vai apenas para a sua seleção de futebol que conseguiu resultados excelentes nas últimas copas do mundo, graças à arbitragens suspeitas, principalmente na Copa de 2002, a qual foi realizada junto com o Japão. O uniforme é vermelho, branco e azul, sendo que a partir de 2002 o vermelho é desbotado e se parece mais com rosa. Os times de futebol do país não são patrocinados, eles são comprados pelas empresas, por isso os times de maior sucesso são o Jeonbuk Hyundai Motors e o Suwon Samsung Bluewings.

IdiomaEditar

 
Toda a simplicidade do idioma coreano

Ao contrário dos caracteres completamente tolos e complexos dos chineses e japoneses, os coreanos desenvolveram um idioma com caracteres amplamente mais fáceis de compreender, tão fáceis que qualquer estrangeiro consegue rapidamente aprender coreano, a língua mais auto intuitiva do mundo. 못 significa "homem", ㅁ significa "quadrado", ㅇ significa "bola", ㅏ significa "pedaço de pau", 모 significa "monitor de PC", 만 significa "homem sentado jogando StarCraft", 한 significa "homem sentado jogando StarCraft usando um chapéu", 공 significa "fritar um ovo",ㅣ significa "vareta", ㅜ significa "mesa", ㅝ significa "mesa e cadeira", ㅞ significa "mesa e cadeira com bom encosto", 오 significa "maçaneta", e assim por diante.

ReligiãoEditar

Mais de 99% dos sul-coreanos seguem a religião do Blizzardentertainmentismo. Os 1% restante consistem em hippies cristãos que ainda acham que a natureza é um lugar bonito e ninguém dá a mínima. Esse religião baseia suas crenças no umbigocentrismo, uma ideia na qual o universo gira em torno do seu umbigo e seus pais são obrigados a te sustentar enquanto você passa horas só jogando videogame.

Há um grupo de extremistas do Blizzardentertainmentismo chamados de Pyein (폐인), seres que passam todos os momentos de suas vidas como eremitas emf rente ao PC gamer. Como a tecnologia sul-coreana permite que as pessoas agora peçam comida pela Internet, esses Blizzardentertainmentistas não precisam entrar em contato com o mundo exterior. Esse grupo radical de Blizzardentertainmentistas acreditam que foram colocados neste mundo por uma razão, e essa razão é adorar os Xel'Naga usando o método mais sofisticados possíveis jogando Starcraft 24 horas por dia, sendo o celibato uma imposição involuntária unilateral para essas pessoas as quais é liberado alguma interação sexual apenas se for para bater punnheta para hentai da Nova.

  Conheça também a versão oposta de Coreia do Sul no Mundo do Contra:

 
  Coreia do Sul
HistóriaGeografiaDemografiaPolítica
SubdivisõesEconomiaMoedaTurismo
CulturaBandeiraBrasãoHino
Ásia
v d e h

Países: Afeganistão | Arábia Saudita | Armênia | Azerbaijão | Bahrein | Bangladesh | Brunei | Butão | Camboja | Cazaquistão | China | Chipre | Coreia do Norte | Coreia do Sul | Egito | Emirados Árabes | Filipinas | Geórgia | Iêmen | Índia | Indonésia | Irã | Iraque | Israel | Japão | Jordânia | Kuwait | Laos | Líbano | Malásia | Maldivas | Mongólia | Myanmar | Nepal | Omã | Paquistão | Qatar | Quirguistão | Rússia | Singapura | Síria | Sri Lanka | Tadjiquistão | Tailândia | Timor-Leste | Turcomenistão | Turquia | Uzbequistão | Vietnã

Territórios: Abecásia | Caxemira | Chipre do Norte | Coreia | Curdistão | Estado Islâmico | Goa | Hong Kong | Ilhas Spratly | Macau | Manchúria | Ossétia do Sul | Palestina (Cisjordânia e Faixa de Gaza) | República de Artsaque | Taiwan | Território Britânico do Oceano Índico | Tibete

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico
v d e h

Países membros: AlemanhaAustráliaÁustriaBélgicaCanadáChileCoreia do SulDinamarcaEslováquiaEspanhaEstados UnidosFinlândiaFrançaGréciaHungriaIrlandaIslândiaItáliaJapãoLuxemburgoMéxicoNoruegaNova ZelândiaPaíses BaixosPolôniaPortugalReino UnidoSuéciaSuíçaTchéquiaTurquia